18 de outubro de 2015

94.

Chaminé 


À noite, bem no escuro
- uma luz tímida vinda do poste através da janela -
Quando ninguém te enxergaria
Queria tanto sua presença

Você sempre aparece
Como um amigo imaginário
No oculto
No sonho
Nos lugares escondidos
onde só eu posso te ver
Nas fugas
Nos medos

Como um sussurro atrás do ouvido
Meio engraçado e zombeteiro
Outrora sério, quase cinza
Me canta um poema triste
Faz uma careta
E vai embora

Feito um fantasma com febre
Moribundo
Interessado em saber
Se existe morte
Após a vida

Um comentário:

  1. Que coisa mais linda esse texto!
    Escreves tão suavemente...

    ResponderExcluir